9.10.08

O novo coronel da Bahia


O resultado das eleições municipais desse ano pode apontar o que irá acontecer nas eleições de 2010, quando governadores, deputados, senadores e presidente serão eleitos (ou reeleitos). Os números do último dia 5 me preocupa, pois na Bahia, um nova figura desponta como novo coronel.

Com a ausência de ACM, o Neto não decolou. Nem pela prefeitura de Salvador o garoto passou perto. O segundo turno na capital ficou entre os candidatos do PMDB e PT. Alguns candidatos do partido do presidente surpreenderam, conseguindo vencer velhas oligarquias, como em Itapetinga, no Sudoeste do estado.

O PT elegeu, nas eleições de 2004 - quando Lula já era presidente (mas o governo era do antigo PFL), 19 prefeitos. Quatro anos depois, tendo ainda Lula presidente e agora Jaques Wagner governador, foram 66 prefeitos petistas eleitos.

Mas a figura que desponta no cenário estadual não é o governador Wagner, muito menos um petista. Lógico que o fato do governo estadual estar aliado ao federal contribuiu para esse número de prefeitos do PT. Porém, a figura que demonstra expressividade com os resultados das eleições é o Ministro da Integração Nacional, Geddel Vieira Lima, do PMDB.

Pelas cidades, o partido do ministro abusou da aliança no âmbito federal para garantir aos eleitores a ajuda dos governos petistas. Geddel era a figura que demonstrava a "aliança". O nome, quando não a imagem, de Lula sempre eram envocados pelos pemedebistas, com vista na surpreendente popularidade do presidente.

Geddel não perdeu tempo e saiu fazendo campanha pelo interior. Os resultados apontam o substituto de ACM. Foram 113 prefeitos eleitos pelo PMDB, das 415 cidades baianas.

O partido substitui o Democratas (que sempre se configurava, quando era PFL, como maior dono das prefeituras). Em 2000, o PMDB fez 32 prefeituras; em 2004, 20. O PFL, 125 e 153, respectivamente. Mas esse ano ocupa o terceiro lugar, logo após o PT, pois caiu para 44 prefeitos.

A influência do Geddel é tanta que o presidente Lula se encrecou com a utilização da sua imagem em cidades onde o PT e o PMDB disputavam a eleição. Em Salvador já se fala que o presidente não vai fazer campanha para o segundo turno.

Os baianos viram com ACM que a máquina pública quando "bem" utilizada sustenta mesmo o poder, mas não suspeitava que ele tinha feito escola. Jaques Wagner que se cuide!
.

2 comentários:

Zene disse...

Quando eu crescer quero escrever assim.

=)

Anônimo disse...

10110afaInteressante não conheço nem um funcionário concursado defender o administrador Eduardo Pontes Será Porque.Aos anônimos que o defendem não seria porque se sentem privilegiados com cargos inexistentes e sálários altissimos e a autra parte por pura submissão a mísero meio salário minímo que é pago e são obrigados a dizerem amém a tudo.O nosso município está afogado abandonado e destruído por esse atual administrador,que de administrador mesmo só tem o nome. O que eles chamam de casas populares não passam de galinheiros eu queria ver o Senhor Eduardo e sua família ocupando um espaço daquele porque na verdade não nem para ele esconder o dinheiro que ele desviou dos cofres públicos durante esses 4 anos.portanto Fora Eduardo o olho da rua ainda é pouco para você.